O blogue "Diário de um sociólogo" foi seleccionado em 2007 e 2008 pelo júri do The Bobs da Deutsche Welle - concurso internacional de weblogs, podcasts e videoblogs - como um dos dez melhores weblogs em português entre 559 concorrentes (2007) e um dos onze melhores entre 400 concorrentes (2008). Entrevista sobre o concurso de 2008 no UOL, AQUI.
Para todas aquelas e todos aqueles que visitarem este diário, os meus votos de um 2017 habitado pelo futuro, pela confiança, pela tranquilidade e pela saúde. Sintam-se bem e regressem sempre a este espaço criado a 18 de Abril de 2006. Abraço índico.
Myspace Layouts

26 fevereiro 2010

Pena de morte



Confira em espanhol na Amnistia Internacional, aqui. E também aqui. Para ampliar os mapas, clique sobre eles com o lado esquerdo do rato. Free Translation

15 Comments:

Blogger Abdul Karim said...

Professor,

Queria propor em meu nome pessoal, ao nosso governo de Mocambique e face 'a situacao actual do pais :

1-Pena de Morte para os criminosos contra Humanidade ( por asfixia ou apedrejamento).
2-Pena de Morte para pedofilos, rapto e trafico de menores.
3- Pena de Morte para contrabandistas de drogas pesadas.

26/2/10 11:00 da manhã  
Blogger micas said...

Oh Karim, isso nunca!!!! Sejam quais forem os crimes a pena de morte JAMAIS!

Mas como também fico com maus fígados com determinados crimes.....prisão perpétua com trabalhos forçados......e sou eu defensora dos direitos humanos...mas com alguns crimes como a pedofilia....

26/2/10 1:58 da tarde  
Anonymous Viriato Dias said...

Depois podes ter a certeza que inocentes morrerão...ai será por culpa do Dr. Karim.

26/2/10 3:29 da tarde  
Blogger Abdul Karim said...

Mantenho e Reafirmo a minha proposta e como tal possivel de analize e consideracao da Anistia Internacional.

26/2/10 4:15 da tarde  
Anonymous Viriato Dias said...

Então prepara-te para receber críticas dos teus e nossos pares (amigos). É proibido neste mundo discordar da maioria, viste o que aconteceu comigo quando vezes sem conta defendo a introducao da ditadura democratica. Até por defender o meu ídolo, Mugabe, tenho estado a receber coroa de espinho.

Zicomo

26/2/10 4:29 da tarde  
Blogger Abdul Karim said...

com execucao rapida apos o julgamento.

'A vossa consideracao.

26/2/10 4:34 da tarde  
Anonymous ricardo said...

Nem uma coisa nem outra. Aqui destrinço duas situações:

1- Do ponto de vista social, um problema de classe. Onde a classe média (hoje, a mais visivelmente atingida pela criminalidade), vendo-se ameaçada pela ralé, impõe novas fonteiras para preservar o "status-quo", por um lado. E isso, pode ser até a Pena Capital. Por outro, a adopção de uma solução extrema que convidará a classe dominante a reflectir sobre as novas relações de poder que ela própria imporá a sí mesma, pondo em confronto as perspectivas totalitária e a liberal. A brincar, a brincar, Max Gonzaga fez uma música mesmo a propósito;

2- Do ponto de vista jurídico, o endurecimento da moldura penal, que os comportamentos desviantes em sociedade obrigam. Mas desta feita, com uma nova abordagem. Por exemplo, eu achei interessante, a solução encontrada por alguns países nórdicos para acabar com a prostituição nas ruas. Quando alguém for apanhado em flagrante delito, a penalidade maior vai para o cliente e não a profissional. Por essa via, as pessoas paulatinamente se sentirão desencorajadas a persistir na delinquência, permitindo ainda isolar os delinquentes e retirá-los da visibilidade dos media. Porque eles também precisam de marketing para serem temidos. Se fizermos um estudo à situaação de Moçambique, somos levados a concluir que:

"1-Pena de Morte para os criminosos contra Humanidade ( por asfixia ou apedrejamento).
2-Pena de Morte para pedofilos, rapto e trafico de menores.
3- Pena de Morte para contrabandistas de drogas pesadas."

Só têm respaldo local, porque (1) há condições para se criar ditaduras que geram conflitos e alimentam ódios, que depois despertam este tipo de crimes contra a humanidade. Vide a génese dos casos Ruanda, RDC; (2) só há pedófilos, porque há mercado para a escravatura branca. Se o caso DIANA estivesse a ser julgado em Moçambique, a absolvição era garantida. E mesmo na RSA, questiona-se os resultados do mesmo. Portanto, os cabarets, sex shops, produtores de filmes pornograficos, deveriam ser sujeitos a altas cargas fiscais para secando o seu negócio, não dar azo ao fenómeno da escravatura branca; finalmente (3), com as drogas, o raciocínio é similar. Recordo do saudoso Carlos Cardoso, que me dizia "olha, no dia em que se legalizar o uso da droga no mundo, como fizeram com o alcool, o seu preço irá baixar tão drasticamente, que o negócio da droga deixará de ser lucrativo". E com isso, a diminuição de crimes de tráfico, digo eu.

Em suma, quer seja por classe, ou por moldura penal, o factor económico é a chave do problema. É por aí onde se deve começar. Mas para se chegar a essa evidência, temos que estudar as sociedades desapaixonadamente e com o rigor científico adequado.

A exemplo do nosso caro Professor.

26/2/10 5:26 da tarde  
Blogger Abdul Karim said...

Aguardando anciosamente o vosso estimado parecer.

Cumprimentos

Abdul Karim

26/2/10 5:42 da tarde  
Anonymous Viriato Dias said...

A AI não podia deixar o Zimbabwe de lado. Este país, o seu azar foi de ter sido colonizado pela Inglaterra e de ter os recursos que tem. Que pena, tal como o Zimbabwe está o Congo, cujo território os indomáveis dizem que Deus terá se esquecido de lá ir, rico em tudo, mal terá paz. E quem financia? Este mundo estùa mesmo lixado. Sobre os EUA, a AI não disse nada, deve ter avariado o compputador na hora em que estava a construir este gráfico. Pode até ter dito, mas não da forma que esperava.

Zicomo

26/2/10 6:34 da tarde  
Blogger umBhalane said...

A pena de morte é uma selvajaria, típica de Países não maturamente "civilizados".

E isto não tem nada a ver com religião (referi-mo à Cristã, obviamente).

A vida é um bem supremo, individual e inviolável.

Questão cívica.

26/2/10 9:57 da tarde  
Blogger Reflectindo said...

Ricardo, boa abordagem ou por ela podemos dicutir muito mais.

Viriato, uma boa réplica ao Abdul. Se um inocente for morto, quem assumirá a responsabilidade?

Micas, estou concordando contigo.

Por discutir:

Será que a pena de morte acaba ou reduz o crime?

27/2/10 1:20 da manhã  
Anonymous ricardo said...

Reflectindo,

Baseado na experiencia de paises onde ha pena de morte, sou levado a concluir que a Pena de Morte resulta no seguinte:

a) Reduz momentaneamente o crime, mas nao o erradica;

b) O crime evoluira sempre para uma faceta IN violenta e OUT soft. Da accao directa (gangsters) se caminhara para a accao indirecta (advogados, juizes e politicos). Mas o numero de vitimas se multiplicara, ate que o Crime se aperceba que minou totalmente os orgaos de repressao, para retornar a sua caracteristica inicial de crime violento. E o que se passa no Brasil. E para la onde Mocambique caminha;

c) A accao directa, agora circunscrever-se-a nas classes mais baixas da sociedade. Com uma particularidade, tantos a vitimas, como os prevaricadores usarao metodos ainda mais crueis, para nao deixarem vestigios (Decapitacao, Diluicao em Acido, etc) mas tambem para impor o seu poder pelo terror. Assim, um roubo de celular, pode resultar em morte. Da vitima, porque resistiu ao criminoso, logo este teve de mata-la. Do criminoso, se apanhado pelos amigos da vitima, para cortar o mal pela raiz. A LEI sera pura e simplesmente ignorada por este segmento social (Linchamentos).

Em suma, quer em Singapura, China ou Japao, a pena de morte nao resultou na erradicacao do crime. As mortes anteriormente causadas por um chulo violento qualquer, hoje sao obra da Yakuza e das Triades. E todo o aparelho judicial esta moldado para dar suporte as suas actividades. No caso da Russia o crime extrapolou para contornos politicos. Hoje confunde-se com a Guerra do Caucaso. Nos EUA, a UNIAO atirou a toalha ao chao na gestao carceraria. Uma vez impotente em controlar os comandos criminosos dentro das prisoes, hoje terceriza esta funcao de Estado a privados. E que acontece em Nova York. Com um detalhe, algums destes privados, teem como accionistas aqueles quem devem vigiar. Ironico, nao e?

Conclusao: o crime nao so nao acaba, como se torna ainda mais violento.

Dai eu defender persistentemente a minha abordagem conhecida por "SECAR AS FONTES NA ORIGEM" para remover os alicerces que sustentam o crime.

27/2/10 10:04 da manhã  
Blogger Carlos Serra said...

Podemos encontrar na internet muitos textos sobre a pena de morte e, especialmente, sobre se ela tem contribuído para reduzir a criminalidade. Um exemplo:
http://www.dhnet.org.br/direitos/penamorte/dalmodallari.html

27/2/10 10:18 da manhã  
Blogger Abdul Karim said...

Professor,

A pena de morte de inocentes por fome ?

A pena de morte de inocentes por falta de tratamento medico ?

A pena de morte de inocentes por asfixia ?

Essas nao sao penas de morte ?

ou a amnestia internacional esta especializada na defesa de juizes culpados e nao de inocentes condenados?

Porque 'e que a amnistia nao exige abolicao destas penas de morte ?... abolicao de penas de morte por fome...?

Porque 'e que a amnistia internacional nao da amnestia a esses condenados 'a morte por fome ?

A minha proposta 'e para culpados...de crimes odiosos... nao 'e pra inocentes... e nao tem caracter religioso.

Continuo anciosamente 'a espera do parecer da Amnestia Internacional.

27/2/10 11:56 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

Muito obrigado, umBhalane, e quem defende a abolição da pena de morte.

É uma pena, constatar que quem pretende por vezes ser poeta é afinal um monstro...

28/2/10 2:07 da tarde  

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home