O blogue "Diário de um sociólogo" foi seleccionado em 2007 e 2008 pelo júri do The Bobs da Deutsche Welle - concurso internacional de weblogs, podcasts e videoblogs - como um dos dez melhores weblogs em português entre 559 concorrentes (2007) e um dos onze melhores entre 400 concorrentes (2008). Entrevista sobre o concurso de 2008 no UOL, AQUI.
Para todas aquelas e todos aqueles que visitarem este diário, os meus votos de um 2018 habitado pelo futuro, pela confiança, pela tranquilidade e pela saúde. Sintam-se bem e regressem sempre a este espaço criado a 18 de Abril de 2006. Abraço índico.
Myspace Layouts

30 novembro 2009

(128) 30/11/09


Talvez seja interessante recordar a deliberação n.° 5 de 19 de Janeiro de 2005, do Conselho Constitucional, com o título "Validação e proclamação dos resultados das eleições gerais, presidenciais e legislativas, de 1 e 2 de Dezembro de 2004", produzida pelo elenco então dirigido por Rui Baltazar Alves e com uma declaração de voto de Manuel Franque. Aqui.

Alpha Blondy, democratura e jornalistas em perigo

Não se trata do nosso Azagaia, mas de Alpha Blondy, popular cantor costa-marfinense de reggae, criador do termo democrature (democratura, mistura de democracia e ditadura). Abaixo, um vídeo com uma das suas mais famosas canções (em francês) com o título Jornalistas em perigo (homenagem ao jornalista Norbert Zongo, assassinado em 1998 no Burkina Fasso), original da letra em francês aqui e tradução para português aqui:

Estrada Catandica/Tete: não há crise


Foto postada ontem por neves e reproduzida daqui.

As desventuras do músico Refila Boy

Segundo o jornal "Escorpião" com data de hoje, num trabalho com o título "Polícia agiu fora da lei ao mandar capturar Refila Boy", da autoria de Serôdio Towo, a sentença contra o réu Refila Boy, popular músico no distrito do Chócuè, província de Gaza, deverá ser proferida depois de amanhã. O músico foi preso sob acusação de agredir e injuriar polícias, depois que era filmado na gravação de um vídeo numa rua da cidade do Chócuè. O jornalista Serôdio escreveu que o réu está inocente segundo afirmações do juiz da causa, João Guilherme (p. 8, foto do jornal). De acordo com gersonnorte do portal do Centro de Apoio à Informação e Comunicação Comunitária, o artista é conhecido pelas suas canções críticas da polícia e da corrupção.

20 casas de câmbio

O portal do Banco de Moçambique menciona 20 casas de câmbio em Moçambique, dez com sede em Maputo e uma em Quelimane. Confira aqui. Para ter uma ideia das entidades financeiras existentes no país, confira aqui.

Mbeki e a cultura do enriquecimento

Não abre

Não consigo abrir o portal do Conselho Constitucional. Vocês conseguem?
Adenda às 19:17: já abre.

29 novembro 2009

Reprovações

Por que razão houve tantas reprovações nas disciplinas da secção de ciências nos exames da primeira época do ensino secundário? O director nacional de Exames e Certificação, Jafete Mabote, citado pelo "Notícias", disse que era ainda prematuro dizer que houve muitas reprovações. Mas fez questão de afirmar que (1) as ciências são exigentes ("a aprendizagem das ciências é mais exigente"), (2) os alunos precisam de laboratórios, de bibliotecas e de professores habilitados e (3) é necessário treino permanente na aprendizagem.
Ainda que inicialmente prudente, Jafete revelou, afinal, quais as "causas" dos problemas, justamente os três pontos acima sugeridos.
Todavia, uma vez mais, estamos confrontados com opiniões - por mais válidas que sejam - e não com o produto de um trabalho de pesquisa em profundidade.
Acresce que é completamente discutível que as "ciências" no sentido de Jafete (Matemática e Química, por exemplo) sejam mais ciências do que as ciências sociais.
Nota: desenho reproduzido daqui.

Tese sobre os Mazione em Moçambique

No local de recados situado no lado direito deste diário, o ESM mandou-me a referência de um projecto de tese (leia detalhes aqui), ilustrado pelo documentário que pode ver a seguir:

Rolas da manhã maputense


Estavam já inquietas quando as fotografei, esta manhã, na minha varanda...

(127) 29/11/09


Penso nos fenómenos que causam vitórias ou perdas eleitorais, fenómenos que, regra geral, ainda que do dia-a-dia, não são tidos em conta, fenómenos interiores, digamos que fenómenos, afinal, invisíveis. Se pudesse pesquisar as razões da vitória de Guebuza, juntaria ao estudo dos fenómenos “visíveis” – oficiais, lógicos, previsíveis, de uso corrente, etc. -, os fenómenos “invisíveis”, aqueles que não habitam programas, jornais, blogues, discursos e vaidades. A este último nível, estudaria três, com particular incidência nas áreas rurais: (1) o impacto do helicóptero (esse pássaro mágico sistematicamente usado por Guebuza) no imaginário popular, imaginário que é, quase sempre, creio, um imaginário de privações e pronto para o sonho e para o fantástico; (2) o impacto dos curandeiros na gestão da credulidade e da propiciação à distância; (3) o impacto dos chamados chefes tradicionais na propiciação imediata. Levo muito a sério o fenómeno do helicóptero, é como se ele, de alguma maneira, tivesse alguma semelhança com o cargo cult da Melanésia, com a crença de que um dia, pelo helicóptero e através de Guebuza, chegará um carregamento de coisas que irão melhorar substancialmente a vida local.
Adenda: retomarei esse e outros temas numa entrevista dada ao jornalista Lourenço Jossias do "Magazine Independente" e a divulgar oportunamente.

28 novembro 2009

Stella Mendonça e Sónia Mocumbi

As cantoras moçambicanas de ópera Stella Mendonça e Sónia Mocumbi, cantando no Parque Nacional do Limpopo acompanhadas por 53 elementos da orquestra sinfónica francesa de Pontarlier:

(126) 28/11/09

Zé Carlos para os hoquistas moçambicanos


O José Carlos Lopes Pereira escreveu uma carta a propósito do nosso hóquei e pediu-me que a publicasse aqui, o que faço com prazer. A carta começa assim: "Meus estimados irmãos hoquistas: Nestes últimos dias tive conhecimento das recentes movimentações para o re-lançamento da modalidade, por parte da Federação e de uma auto-intitulada Comissão Administrativa, composta por 13 membros." (foto reproduzida daqui)
Adenda: recordemos que Moçambique vai organizar o próximo campeonato mundial de hóquei, Grupo A. E, já agora, leia o "O País" aqui.

Num vale a pena!




Num vale a pena mesmo aborrecer-se, hoje é sábado, buliçoso, dia casamenteiro e buzinadeiro e cantadeiro na Friedrich Engels nesta bela cidade de Maputo hoje com sol encoberto. Melhor mesmo é você ir ao Jardim dos Namorados e acalmar-se, ritualize-se também, sente-se numa das cadeiras do Surf ou do Pinóquio ou, se necessário mesmo, case-se também. E saiba que neste preciso momento um bulício de uma magnitude ainda maior regista-se no Cemitério de Lhanguene, centenas de pessoas, talvez milhares. De viaturas ligeiras e chapas melhor não falar. Num lado a reverência à vida (quantas vezes já a noiva chega grávida), no outro a reverência à morte. Mas tudo é vida.
Nota: fotos por mim tiradas cerca das 11 horas.

"Moda no Congo é clarear a pele"

Regresso ao tema do clareamento da pele. De Alline Mazz, médica especializada em medicina estética: "Estou em Kinshasa, capital do Congo (...). Meu primeiro tema é interessante e duvidoso. Muitíssimos africanos tem uma obsessão de... embranquecer! Isso mesmo. Olhava as prateleiras e não conseguia acreditar! A 'cultura popular do embranquecimento'. Parece uma “Síndrome de Michael Jackson”, mas não vou entrar nesta polêmica por nada neste mundo... Cada um faz o que quer! E cabe aos médicos aceitar fazer um tratamento do gênero ou se recusar até por questão 'de foro íntimo'. As gôndolas nas lojas, farmácias e supermercados são repletas de produtos para clarear a pele. (...) Grande parte da população é consumidora desses produtos, que custam caríssimo (nível cosméticos de grandes marcas famosas européias, o mais baratinho que vi aqui custava 150 dólares e era um tubinho de 15g!), principalmente se levarmos em consideração o quanto a população na sua maioria ganha ao mês..."
Adenda: confira ainda aqui.

Sexta/domingo: ritual dos casamentos na Engels

Duas questões:
1. O ritual dos casamentos estende-se agora de sexta a domingo no Jardim dos Namorados da Av.ª Friedrich Engels, cidade de Maputo. Os cortejos começam a chegar cerca das 10 horas de sexta, aos sábados a avenida fica quase intransitável com as viaturas, os participantes dos cortejos, os vendedores, os guardadores de carros, etc. Anteriormente, há cerca de seis meses atrás, sábado e domingo eram a regra. Há dois meses atrás, contei 30 casamentos entre uma sexta e um domingo.
2. O ritual dos Namorados é excepcionalmente rico e devia constituir matéria-prima para os pesquisadores dos nossos estabelecimentos de ensino, mesmo nos níveis primário e secundário. Toda a história social dos diferentes grupos sociais vivendo em Maputo habita cada momento, cada passo, do ritual. Há muito que estudar, por exemplo no tocante aos grupos corais, aos dançarinos, ao vestuário, ao lobolo, às viaturas, etc.

27 novembro 2009

Galeria de Arte Makonde em Nampula


A propósito de pau-preto: em Setembro do ano passado coloquei neste diário este meu poema.

Deus fê-los assim mesmo

Consciência social

O estudante finalista da licenciatura em jornalismo na Escola de Comunicação e Artes da Universidade Eduardo Mondlane, Alvo Ofumane, escreveu-me dizendo que defende na próxima segunda-feira uma monografia com o tema "A manifestação da consciência social nas cartas dos leitores publicadas no jornal Notícias entre 1976 e 2006". Lamento não poder estar presente, mas talvez possa aqui apresentar futuramente pelo menos um resumo do trabalho com um tão interessante tema. Boa sorte!

Clarear a pele

Clarear a pele: uma prática de Africanas em França:



Pergunta: alguém sabe se no nosso país a prática também tem curso?
Adenda: sugiro a leitura deste trabalho brasileiro, aqui. E deste, publicado num jornal espanhol, mas traduzido para português, aqui.

Sobre a prostituição em Moçambique

Dubai e porto de Maputo

Há severos problemas financeiros em Dubai (confira aqui e aqui), muita falência prevista (leia aqui), mas Dubai DP World, principal patrão do Porto de Maputo, afirma ter investido USD 32 milhões numa companhia que gere o porto de Maputo. Obrigado ao Ricardo, meu correspondente em Paris, pelo envio das referências.
Adenda: alguém tem conhecimento suficiente para discutir este ponto sensível?
Adenda 2 às 10:46: confira também aqui e aqui.
Adenda 3 às 16:36: leia mais um texto com uma referência a Maputo, aqui.

(125) 27/11/09


O "Savana" e o "Canal de Moçambique" apresentam descrições do ambiente tenso que parece estar a ser vivido em Nampula, confira aqui e aqui.
Adenda às 10:51: segundo o "O País" de hoje, o presidente do MDM, Deviz Simango, deverá iniciar nos próximos dias um périplo pelo país para agradecer àqueles que votaram em si e no seu partido (p. 4).
Adenda 2 às 11:30: recorde os turbulentos momentos pós-eleitorais de 1999, aqui.

Exames e diz-que-diz

Órgãos de informação mostram que foram maus os resultados obtidos nos exames da primeira época da 10.ª e 12.ª classes (confira, por exemplo, aqui). Uns dizem que os estudantes não se prepararam, outros dizem que algo vai mal na organização dos exames, outros, ainda, com ar televisivo severo, produzem uma generalização do género "a educação em Moçambique não vai bem". Nestas coisas há sempre o vigoroso diz-que-diz, mas raramente encontramos alguém que diga algo após ter pesquisado em profundidade as razões de um determinado fenómeno. Decididamente estamos viciados em opiniões.

O pesadelo dos passeios em Maputo

Acho que ainda ninguém teve a paciência para descrever, em profundidade, o quanto custa circular nos passeios da cidade de Maputo. Custa por quê? Primeiro porque estão, em sua grande maioria, estragados, esburacados; segundo, porque os automobilistas não têm qualquer pejo em fazer deles locais de estacionamento, em particular os utentes de 4x4; terceiro porque, em determinados locais, que não são poucos, estão atravancados com a múltipla quinquilharia dos vendedores do desenrasca, especialmente sapatos e estatuetas. Um real pesadelo.

O sistema em julgamento

A "hora do fecho" no "Savana"

Na última página do semanário "Savana" existe sempre uma coluna de saudável ironia que se chama "A hora do fecho". Naturalmente que é necessário conhecer um pouco a alma da vida local para se saber que situações e pessoas são descritas. Deliciem-se com "A hora do fecho" desta semana, da qual ofereço, desde já, um aperitivo:
Para além da surpresa própria da democracia moçambicana de verem um líder da “construtiva” celebrar com os patrões a “vitória esmagadora”, foi muito notada na festa a presença do mais badalado executivo de sucesso da área multimedia. Também estava a celebrar a vitória?

26 novembro 2009

Obama premeia activistas zimbabweanas

(124) 26/11/09


Citado pelo “O País”, em trabalho do jornalista Atanásio Marcos, o presidente do Partido para a Paz, Democracia e Desenvolvimento, Raul Domingos, veio a terreiro e afirmou o seguinte em relação aos presidentes dos partidos PIMO (Yá-Qub Sibindy), Trabalhista (Miguel Mabote) e Ecologista (João Massango): “Aqueles líderes brincaram com a consciência dos moçambicanos com o espectáculo barato que nos foi posto a ver com discursos alegadamente da oposição, tudo em busca de protagonismo ou algo inconfessável”. A conferir aqui.
Adenda às 15:05: na capa, antetítulo do semanário "Savana" com data de 27/11/09: Ventos incendiários sopram do Norte; título: Tensão em Nampula. Cabeçalho: "Está ao rubro o ambiente político em Nampula, com a Renamo a acusar o Comando Geral da PRM de ter despachado "contingentes fora do comum" e meios de combate para aquele ponto do país. A Residência de Dhlakama está sob permanente vigilância. Mas a Polícia justifica esta operação com o argumento de que Dhlakama "é uma figura pública e membro do Conselho de Estado".

Pedido de auxílio para Estela Banze


O edital acima reproduzido encontra-se no Departamento de Informática e Matemática da Universidade Eduardo Mondlane. Confira o portal da Associação dos Estudantes Universitários da Universidade Eduardo Mondlane, aqui. Obrigado ao Elísio Leonardo pelo alerta. Clique com o lado esquerdo do rato sobre a imagem acima para a ampliar.

O que é a lei num Estado patrimonial?

Jurista, professor universitário de Direito Público, o brasileiro Roberto Wagner Lima Nogueira (na imagem) escreveu em 2006 um artigo com o título "O que é a lei para os donos do poder no Brasil?”. A noção de “Estado patrimonial” é aí abordada. Eventualmente é um trabalho que, ainda que pequeno e tendo o Brasil como referência, pode ser teorica e transnacionalmente útil para os leitores em várias coisas. Confira aqui.

Bricole também

As pessoas vão-se inscrevendo no bricolando o social e análise, os temas vão-se multiplicando (últimos temas: catadores, a representação do negro na prosa brasileira), Moçambique e Brasil em destaque nas participações. Participe também, confira aqui.
Adenda: podemos entender por bricolar algo como trabalho paciente, de oficina, colectivo.

(123) 26/11/09


É fascinante o diz-que-diz politicamente estratégico para certos círculos: depois de porta-vozes da Renamo anunciarem continuadamente que iriam promover manifestações de protesto contra os resultados eleitorais de 28 de Outubro, surgiu um jornal a dizer que, afinal, esse partido desistira do intento, depois que pedira ao governo autorização para realizar as manifestações (reler adenda 3 aqui), enquanto, agora, aparece um ex-general da Renamo a dizer que Afonso Dhlakama poderá participar nas manifestações. Por outro lado, há órgãos de informação a passar sistematicamente a mensagem de que Dhlakama está doente e em estado

pré-

trombose.

25 novembro 2009

Negócios em Moçambique


Ex-figuras estatais e/ou pertencentes ao aparelho político ligadas ao Capital. O mais recente exemplo: o antigo governador do Banco de Moçambique, Adriano Maleiane, é agora director não executivo da açucareira Tongaat Hulett. Confira aqui. E saiba um pouco mais dos negócios em Moçambique através do Africa Intelligence, aqui.

Dois milhões de dólares

Caso Aeroportos, os voos monetários atingem altitudes enormes: o representante de uma imobiliária afirmou que vendeu duas casas - custando cada uma um milhão de dólares - ao ex-presidente do Conselho de Administração dos Aeroportos de Moçambique, Diodino Cambaza. Confira aqui.

Produção da cor de Obama

Estar ou não de acordo com as políticas de Barack Obama pode influenciar a forma como o concebemos ao nível da cor: se concordamos com elas, concebemo-lo com a pele clara; se não, com a pele escura. Conheça os pormenores de um trabalho científico aqui. Obrigado ao Ricardo, dedicado correspondente em Paris, pelo envio da referência.

Mais um linchamento

Mais um linchamento, desta vez em Chimoio, de um jovem acusado de roubo. Um segundo indivíduo escapou graças à intervenção policial. Em Junho reportei que jovens tentaram linchar três outros no Bairro Codamo daquela cidade.
Adenda: a justiça popular através do linchamento está definitivamente instalada na geografia punitiva urbana do país, em processos sumários dos quais são excluídos quer os órgãos estatais de justiça quer as instâncias informais de resolução pacífica de conflitos (das igrejas às chefias tradicionais). Isto, sem contarmos com os linchamentos por acusação de feitiçaria, bem menos mediatizados. Recorde estes dois livros meus aqui.

(122) 25/11/09


O "Wamphula Fax" de hoje tem mais pormenores sobre o que disse um ex-general da Renamo, Simão Bute, em relação a um suposto plano da Frelimo para assassinar Afonso Dhlakama em Nampula. Enquanto isso, um porta-voz da polícia local afirmou que foi ampliada a capacidade operativa policial na zona norte do país (Nampula, Cabo Delgado e Niassa), com a afectação de um general, de um adjunto de comissário, de uma unidade da Força de Intervenção Rápida e de cinco viaturas da marca Land Cruiser. A conferir aqui.
Adenda às 6:24: a notícia do jornal acima citado mostra claramente a movimentação dos serviços de inteligência da Renamo e do Estado. Já agora analise este tipo de notícia, aqui.
Adenda 2 às 8:15: em artigo no "Canal de Moçambique" online de hoje, o eng.° Noé Nhantumbo analisa várias coisas, entre as quais a posição dos G-19 no tocante às eleições, aqui.
Adenda 3 às 10:16: citando uma fonte governamental não identificada, o “ O País” online reporta que a Renamo retirou o pedido de organização de manifestações que havia formulado ao governo. Confira aqui. Julgo ser uma novidade saber que a Renamo formulou um pedido ao governo para organizar manifestações.

24 novembro 2009

Sinta

Simão Bute hoje

Em conferência de imprensa hoje na cidade de Nampula, Simão Bute, que se apresentou como antigo general da Renamo na guerra civil, disse que a Frelimo tinha um plano para capturar Afonso Dhlakama quando da manifestação (ainda sem data marcada) contra os resultados das eleições de 28 de Outubro. Quais as evidências? A chegada, fim-de-semana passado, de cinco viaturas policiais e a presença de muitos agentes da segurança do Estado. O ex-general falou de forma muito emotiva, dizendo que a Renamo ripostaria a contento em caso de ataque por parte da Frelimo. Contactado, um oficial da polícia confirmou, de facto, a chegada de cinco viaturas, quatro para o policiamento e uma para os serviços burocráticos (Rádio Moçambique, noticiário das 19:30).
Adenda às 20:33: mais pormenores com o "Wamphula Fax" de amanhã, porém já na minha posse hoje.
Adenda 2 às 20:54: Renamo e Afonso Dhlakama são, de novo, as vedetas dos noticiários e dos menus de um só prato dos chamados analistas da terra. Vedetas em quê? Vedetas no tocante (1) ao não reconhecimentos dos resultados eleitorais, (2) à promessa de manifestações de protesto e (3) ao surgimento de uma aparente enfermidade em Dhlakama, havendo, até, quem, em relação a este último ponto, pense afogueado que ele está na margem de uma trombose. Eclipsados estão MDM e Deviz Simango.

Maka

O presidente angolano José Eduardo dos Santos fez uma crítica à corrupção e falou na necessidade de haver tolerância zero para com ela. Aqui. Já agora, o leitor por acaso conhece o Maka (para o seu significado conferir aqui), portal anti-corrupção coordenado pelo jornalista e activista angolano Rafael Marques (na imagem)? Em português aqui e em inglês aqui. Obrigado ao Ricardo, meu correspondente em Paris, pelo envio das referências.

Prossegue saque da nossa madeira

Especialmente nos distritos de Mocuba e Lugela, província da Zambézia, sai madeira de forma ilegal, a "olho nu" como titula o "Diário da Zambézia" de hoje. Quem isso afirma é o director provincial de Agricultura, Mahomed Valá. Confira aqui.
Adendas: (1) como sabem os leitores mais regulares, este diário tem centenas de entradas sobre o saque da madeira; (2) a edição do jornal acima apresenta, ainda, um trabalho sobre um pretenso tráfico de órgãos humanos com "presumíveis autores" (incluindo o comandante distrital da polícia) no distrito de Mocuba. Creio estarmos diante de um rumor.

Representação da mulher na literatura moçambicana

Salomão Moyana e a luta contra a corrupção

A propósito do que se convencionou chamar "Caso Aeroportos de Moçambique": mais do que o julgamento de A e B, "estão em julgamento, no Tribunal, as opções nepotistas do Governo de Moçambique" (sic); mais do que meia dezena de co-réus, "existem, as magotes, milhares de ladrões, de maior sofisticação, que, diariamente e em conivência com ex-colegas de António Munguambe, delapidam os parcos recursos do nosso empobrecido Estado, construindo e comprando mansões, por via de enriquecimento ilícito e, até, oferecendo diversas casas e outros bens públicos a amigas de ocasião (...)" (sic); Moçambique tem de tomar um posição firme contra a corrupção. E onde deve começar a luta contra a corrupção? No Conselho de Ministros (sic) - resumo do editorial de Salomão Moyana (na imagem) no "Magazine Independente" com data de amanhã e com o título "Cambazadas" infelizes no Tribunal!"
Adenda: deverei ainda hoje receber o editorial na íntegra; se isso acontecer, dá-lo-ei a conhecer aqui.
Adenda 2 às 19:32: eis o editorial, aqui.

Mc Roger e Azagaia

Vários dos meus alunos trabalharam este ano em bairros e escolas da periferia da cidade de Maputo, tentando conhecer as representações sociais existentes sobre as canções de Mc Roger e Azagaia. Creio poder sumarizar os resultados da seguinte maneira:
Mc Roger (à esquerda, Rogério Dinis de seu nome): ao lado da elite em geral e da elite no poder em particular, do patronato, da vida faustosa, dos carros de luxo; os temas aprovam as relações sociais existentes.
Azagaia (à direita, Edson da Luz de seu nome): ao lado dos grupos desfavorecidos, dos excluídos, crítico das desigualdades sociais e da corrupção; os temas questionam as relações sociais existentes.

Racismo sem raça

Há dias, cerca de quatro mil imigrantes, na maioria Zimbabweanos, ficaram sem abrigo a 140 quilómetros da cidade do Cabo, depois que foram atacados por Sul-Africanos localmente residentes. Por que foram atacados? Segundo uma fonte policial, porque os Sul-africanos os acusaram de lhes roubar os empregos.
Um quadro clássico em qualquer parte do mundo, uma causa não menos classicamente causal, uma reivindicação xenófoba, um exercício de racismo social sem raça. Há tempos, milhares de compatriotas nossos foram atacados na África do Sul e tiveram de regressar ao país.
Racismo sem raça? Sim, é possível. Lá onde se disputam recursos de vida e/ou de poder, não importa onde nem quando, surge de imediato a intolerância, a construção negativa e diabolizada do Outro. As causas não são causas reais, mas causas estratégicas, de luta, causas da luta pelo monopólio de recursos. Isso não carece de uma cor específica, de características somáticas. Nem de uma etnia. O racismo está na alma social em luta. Lutar contra ele exige múltiplas e profundas medidas de vários tipos.
Adenda: recorde a minha série em sete números com o título Os riscos do efeito borboleta social na África Austral, aqui; veja um dossier do “Notícias” sobre xenofobia na África do Sul, aqui; no próximo ano farei sair um livro que abordará o tema em Moçambique; recorde Serra, Carlos (dir), Racismo, etnicidade e poder - um estudo em cinco cidades de Moçambique. Maputo: Livraria Universitária, 2000.

(121) 24/11/09


Adenda às 13: segundo o "O País" online de hoje, foi agora a vez de a Conferência Episcopal referir as irregularidades cometidas nas eleições de 28 de Outubro. Aqui.

23 novembro 2009

"A virgem da Babilónia" no "Grande Hotel"

"A virgem da Babilónia"- assim se chama o novo romance do escritor e pintor moçambicano, Adelino Timóteo, também jornalista do "Canal de Moçambique", radicado na cidade da Beira. O enredo desenrola-se no "Grande Hotel" - localizado nessa cidade -, que chegou a ser na era colonial um dos mais luxuosos hotéis de África (inaugurado em 1952 ou em 1955) e que agora é um local do salve-se-quem-puder para cerca de 3500 pessoas pobres que lá vivem. A esse propósito, veja o extraordinário vídeo da AFP:
Adenda: leia um texto de 2007 da jornalista Paula Rolleta, aqui.
Adenda 2 às 20: 55: um filme chamado "O Grande Hotel", dirigido por Lotte Stoops e produzido por Serendipity, estreia-se este mês em Lisboa, Paris e Bruxelas (informação constante da revista Índico das LAM (49) Julho/Agosto, 2009, p. 41.

(120) 23/11/09


É possível ler um trabalho de Johannes Beck e ouvir dois trabalhos audio de Helena de Gouveia produzidos pela estação alemã Deutsche Welle sobre as eleições de 28 de Outubro, aqui.
Adenda às 17:43: tanto quanto julgo saber, o canal em português da China Radio International apenas deu duas curtas e neutrais notícias sobre as eleições, a conferir aqui e aqui.

Congada Moçambique da Nova Gameleira

Descobri isto num portal brasileiro: "Perto do ano de 1960 Maria de Lourdes dos Santos, como forma de pagamento pela cura de seu filho Geraldo Evangelho, funda a Guarda de Moçambique de Nossa Senhora do Rosário, que ficava na antiga Rua dos Pretos na Vila dos Marmiteiros, Bairro da Gameleira, sua família e de seu marido eram de Itaguara-MG e já participavam de Congado há várias gerações, seu marido José Sabino da Costa foi Capitão de uma Guarda de Marujo em Itaguara-MG, mas infelizmente quando Maria de Lourdes funda o Moçambique ela já havia falecido e seu sogro José Sabino Velho era Capitão de Moçambique na mesma cidade e vários outros membros da família faziam parte de congado."

Adenda: já uma vez aqui apresentei um trabalho com o título "Sabe que no "congado" entra...Moçambique?" Confira aqui.

Aeroportos

Prosseguem as revelações inquietantes sobre o que se convencionou chamar “Caso Aeroportos de Moçambique”. Confira aqui.

(119) 23/11/09


Segundo o "Notícias" online de hoje, citando José Manteigas, a Comissão Política da Renamo reiterou a intenção de promover manifestações pacíficas de protesto contra o que entende serem fraudes ocorridas nas eleições de 28 de Outubro. Confira aqui.
Adenda às 8:29: ouvida no senado Americano, a futura embaixadora de Moçambique, Leslie Rowe (imagem à direita), disse o seguinte segundo a "Voz da América" : “Muito embora as eleições tenham sido pacíficas, a exclusão de muitos candidatos da oposição do processo eleitoral com base em alegadas questões técnicas não constitui um bom sinal no que toca o desenvolvimento de uma democracia multi-partidária em Moçambique”. Sobre a distribuição dos ganhos financeiros no país: "Muito dos ganhos financeiros tem sido distribuídos de forma desigual, deixando na pobreza demasiados moçambicanos, incluindo os jovens do país, e criando condições para uma potencial instabilidade social."
Adenda 2 às 12:13: ainda sobre a Renamo e as prometidas manifestações, leia o "Wamphula Fax" de hoje, aqui.